domingo, 31 de julho de 2011

quinta-feira, 28 de julho de 2011

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Provérbios 3

1  Filho meu, näo te esqueças da minha lei, e o teu coraçäo guarde os meus mandamentos.

2  Porque eles aumentaräo os teus dias e te acrescentaräo anos de vida e paz.

3  Näo te desamparem a benignidade e a fidelidade; ata-as ao teu pescoço; escreve-as na tábua do teu coraçäo.

4  E acharás graça e bom entendimento aos olhos de Deus e do homem.

5  Confia no SENHOR de todo o teu coraçäo, e näo te estribes no teu próprio entendimento.

6  Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas.

7  Näo sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao SENHOR e aparta-te do mal.

27  Näo deixes de fazer bem a quem o merece, estando em tuas mäos a capacidade de fazê-lo.

28  Näo digas ao teu próximo: Vai, e volta amanhä que to darei, se já o tens contigo.

29  Näo maquines o mal contra o teu próximo, pois que habita contigo confiadamente.

30  Näo contendas com alguém sem causa, se näo te fez nenhum mal.

31  Näo tenhas inveja do homem violento, nem escolhas nenhum dos seus caminhos.

32  Porque o perverso é abominável ao SENHOR, mas com os sinceros ele tem intimidade.

33  A maldiçäo do SENHOR habita na casa do ímpio, mas a habitaçäo dos justos abençoará.

34  Certamente ele escarnecerá dos escarnecedores, mas dará graça aos mansos.

35  Os sábios herdaräo honra, mas os loucos tomam sobre si vergonha.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Sonhos

   " Neemias planejou em sua visão de reconstruir os muros de Jerusalém. Cheguei a Jerusalém, onde estive três dias. Então à noite me levantei, e uns poucos homens comigo; não declarei a ninguém o que meu Deus me pusera no coração para eu fazer em Jerusalém. Não havia comigo animal algum, senão o que eu montava. De noite saí pela Porta do Vale, para a banda da Fonte do Dragão, e para a Porta do Monturo, e contemplei os muros de Jerusalém, que estavam assolados, cujas portas tinham sido consumidas pelo fogo. Subi à noite pelo ribeiro e contemplei ainda os muros; voltei, entrei pela Porta do Vale, e tornei para casa. Não sabiam os magistrados aonde eu fora nem o que fazia, pois até aqui não havia eu declarado cousa alguma, nem aos judeus, nem aos sacerdotes, nem aos nobres, nem aos magistrados, nem aos mais que faziam a obra." (Neemias 2:11-13, 15-16)
  
    Neemias não agiu até que tivesse um plano. Ele selecionou apenas uns poucos homens de confiança para ir com ele enquanto estava avaliando a situação, porque nem todos poderiam ter lidado com o plano neste ponto. Certas pessoas não podem lidar com seu plano enquanto você o está fazendo. É por isso que não pode contá-lo para todos. As vezes, você tem que escrevê-lo a sós e mantê-lo em segredo por um tempo. As pessoas sem rumo gostam de levar outros consigo. Aqueles que não estão fazendo nada querem outros que se juntem a eles. Seu sonho é digno de ser posto no papel. Se Deus o deu a você, merece ser feito! 

segunda-feira, 25 de julho de 2011

domingo, 24 de julho de 2011

O sorvete

    Numa época em que um sorvete custava muito menos do que hoje, um menino de dez anos entrou na lanchonete de um hotel e sentou-se junto a uma mesa. Uma garçonete colocou um cardápio na frente dele.

– Quanto custa um sundae? ele perguntou.

– Cinqüenta centavos, respondeu a garçonete.

    O menino puxou as moedas do bolso e começou a contá-las.

– Bem, quanto custa o sorvete simples?

    A essa altura, mais pessoas estavam esperando por uma mesa e a garçonete, perdendo a paciência, respondeu:

- Trinta e cinco centavos!

    O menino, mais uma vez, contou as moedas e disse:

– Eu vou querer, então, o sorvete simples.

    A garçonete trouxe o sorvete simples, a conta, colocou na mesa e foi atender outros clientes. O menino acabou o sorvete, pagou a conta no caixa e saiu. Quando a garçonete voltou, ela começou a chorar a medida em que limpava a mesa, pois ali, ao lado do prato, havia quinze centavos em moedas, ou seja, o menino não pediu o sundae porque queria que sobrasse a gorjeta para ela.

    Não feche os olhos para as pequenas coisas do dia a dia, não as ignore, porque você pode estar deixando uma grande oportunidade passar sem perceber, e esta oportunidade pode ser aquela que justamente mudaria a sua vida.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Atitudes diante a perseguições


    “Os olhos do Senhor passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é totalmente dele”. (IICr 16.9)

   Percorremos os mais diversos caminhos. Ao longo da vida cometemos erros, comemoramos conquistas, e Deus vê tudo isso. Na verdade, estamos a todo instante sob o olhar de Deus. Mesmo diante de atos que desagradem o coração do Senhor, estamos sob o olhar dEle. É preciso lembrar que o olhar de Deus não é como a idéia pregada durante o período da Idade Média, ou seja, um olhar ditador, um olhar que soma erros para nos “castigar” depois. O olhar de Deus é amável, mas sobretudo, justo. 

    Porém, nos deparamos com algumas situações tão desgastantes a ponto de duvidar desse olhar atento do Senhor sobre a nossa vida.
 O sentimento da dúvida é pior do que o conhecimento da verdade. Muitas vezes a verdade abala, surpreende, mas a dúvida corrói, ela mantém a chama da esperança latente, a dúvida não deixa as feridas cicatrizarem. O mal entra nesse ponto, o diabo tenta, a todo instante, colocar em dúvida a integridade, a sinceridade, o temor, o amor de Deus por nós e o nosso relacionamento mútuo. Nesse ponto temos a história de Jó como referencial para proceder frente a essas difíceis situações. Ele foi provado por cerca de 7 anos e não levantou uma palavra sequer de acusação contra Deus. Sua integridade e seu temor a Deus permaneceram intactos. Mesmo sendo instigado, Jó manteve-se íntegro e reto diante do Senhor. Mantenha-se firme diante de Deus.

    A situação pode ser como um deserto com sol escaldante durante o dia e um frio insuportável ao cair da noite, mas não desista! Persevere!

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Se renda

A tragédia não é o fim

    A Bíblia conta em 2 Samuel 9 a história de Mefibosete. Sua vida foi cheia de tragédias. Quando ele tinha cinco anos mataram seu avô; no mesmo dia, mataram seu pai. Como se não bastasse, a babá, querendo protegê-lo, o pegou nos braços e saiu correndo para escondê-lo. Ao fazer isto, ela tropeçou e deixou o menino cair no chão. Ele quebrou as duas pernas e nunca mais andou. Mefibosete foi então escondido. Quem o escondeu pensava estar protegendo-o do novo rei, Davi. Pois pensava que Davi queria matá-lo por ser Mefibosete o herdeiro do trono. Mefibosete, que nascera para ser um príncipe, morar no palácio, e desfrutar de uma vida formidável, vivia escondido numa casa emprestada, que não era sua, solitário e sem comunicação. No entanto, Davi, o rei, fizera uma aliança com o pai de Mefibosete, Jônatas, e prometera cuidar e proteger todos os seus descendentes. Mefibosete, por pensar que Davi o procurava para o mal, mais se escondia. Quando Davi o descobriu, mandou um dos seus servos buscá-lo. Ziba foi ao encontro de Mefibosete e o carregou nos braços de volta ao palácio. Davi restaurou a vida de Mefibosete e lhe devolveu tudo o que ele tinha direito. Mefibosete passou a viver lado a lado com o rei.



    Todas as nossas tragédias fazem com que nos escondamos também. Pensamos que o Supremo Rei nos abandonou e ficamos com medo ou raiva, não entendendo porque este Rei amoroso permite que coisas horrendas nos aconteçam. O grande Rei fez uma aliança com seu filho Jesus. Ele também prometeu cuidar de você. Ele enviou o Espírito Santo para nos achar, buscar e trazer para o seu palácio. Em sua presença todas as nossas dores são curadas, nossos sonhos são realizados, nossas amarguras dissipadas, e nossas lágrimas enxugadas.

terça-feira, 19 de julho de 2011

A história é o seguinte...

video

Você decide

    Uma senhora de 92 anos, chamada Isaura, delicada, bem vestida, com o cabelo bem penteado e um semblante calmo, precisou se mudar para uma casa de repouso. Seu marido havia falecido recentemente e a mudança se fez necessária, pois, ela era deficiente visual e não havia quem pudesse ampará-la em seu lar. Uma neta dedicada a acompanhou. Após algum tempo aguardando pacientemente na sala de espera, a enfermeira veio avisá-las que o quarto estava pronto. Enquanto caminhavam lentamente até o elevador, a neta, que já havia vistoriado os aposentos, fez-lhe uma descrição visual de seu pequeno quarto, incluindo as flores na cortina da janela. A senhora sorriu docemente e disse com entusiasmo:

 – Eu adorei! 

– Mas a senhora nem viu o quarto. Observou a enfermeira. 

Ela não a deixou continuar e acrescentou: 

– A felicidade é algo que você decide antes da hora. Se eu vou gostar do meu quarto ou não, não depende de como os móveis estão arranjados, e sim de como eu os arranjo em minha mente. E eu já me decidi gostar dele. 

E continuou:

 – É uma decisão que tomo a cada manhã quando acordo. Eu tenho uma escolha, posso passar o dia na cama remoendo as dificuldades que tenho com as partes de meu corpo que não funcionam há muito tempo ou posso sair da cama e ser grata por mais esse dia.Cada dia é um presente e meus olhos se abrem para o novo dia das memórias felizes que armazenei. A velhice é como uma conta no banco, minha filha, de onde você só retira o que colocou antes.

domingo, 17 de julho de 2011

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Super Hero


                                                                 Clique para ampliar.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Reconstruindo o mundo

    O pai estava tentando ler o jornal, mas o filho pequeno não parava de perturbá-lo. Já cansado daquilo, arrancou uma folha que mostrava o mapa do mundo, cortou-a em vários pedaços e entregou-a ao filho.

 – Pronto, aí tem algo para você fazer. Eu acabo de lhe dar um mapa do mundo e quero ver se você consegue montá-lo exatamente como ele é. Voltou a ler seu jornal, sabendo que aquilo ia manter o menino ocupado pelo resto do dia. Quinze minutos depois, porém, o garoto voltou com o mapa.

 – Sua mãe andou lhe ensinando geografia? - perguntou o pai, aturdido.

– Nem sei o que é isso, pai - respondeu o menino. Acontece que do outro lado da folha tinha o retrato de um homem. E, uma vez que consegui reconstruir o homem, eu também reconstruí o mundo.


segunda-feira, 11 de julho de 2011

domingo, 10 de julho de 2011

Erro tem referência

     Erros? Todos temos. A pessoa que lhes escreve cometeu vários durante o dia até chegar ao momento de escrever esse breve texto. Então, por que tentar não errar? Por que tentar, se isso é tão natural e se sabemos que ainda cometeremos erros? Por que não usar como desculpa que todos erram ( o que é uma verdade, na qual eu me incluo) e continuar errando? Por que, por exemplo, seguir a bíblia? E tentar não errar? Aliás, o que é um erro?

    O erro, ou pecado, só pode ser entendido com uma referência, não é um conceito pleno nele mesmo. Muitos consideram erros e acertos coisas diferentes, pois adotam referências diferentes. Mas será que não é possível generalizar um pouco mais? Eu creio que sim, e guio todas as outras perguntas do primeiro parágrafo a uma palavra, amor.  Essa palavra sempre aparece nos textos do blog, ela deve fazer algum sentido. 

      Qual será, então, uma boa referência para conceituar erros e acertos? Pensando um pouco, é possível notar como atitudes que relatamos como "erros" se relacionam a machucar os outros e/ou a nós mesmos. Assim, uma boa referência para certo e errado não seria apenas eu mesmo ou penas os outros, ao passo que hora um estaria satisfeito e o coletivo não, e o contrário também. Parece impossível algo justo vindo de uma pessoa para as demais ou das demais para uma pessoa. Concluo que é por isso que vale a pena seguir a bíblia, porque ela é justa, ela não é a minha vontade, nem a sua vontade, é a vontade de Deus. 

     Com certeza, há muitas coisas que eu não consigo executar com facilidade, há erros (em relação ao que a bíblia diz) que me perseguem, enquanto há outras coisas que executo com certa facilidade. Já para outra pessoa, pode ser o contrário, facilidade em uma coisa e dificuldade em outra, mas todos estamos lutando contra erros. E como a referência é de fora, ou melhor, de cima, se seguirmos a bíblia estaremos caminhando todos para lá, seja quem for, seja alguém que tem mais dificuldade em amar ou quem tem mais dificuldade em não mentir, ou mesmo alguém que matou e alguém que não consegue perdoar. Todos no mesmo caminho, todos entendendo que há sempre algo para melhorar e tentando não errar, seja o erro que for, para assim, não machucar nem ele mesmo, nem o próximo e nem a Deus. Isso é uma das muitas faces do amor.

As três peneiras

    Um homem foi ao encontro de Sócrates, levando ao filósofo uma informação que julgava de seu interesse: 

– Quero contar-te uma coisa a respeito de um amigo teu! 

– Espera - disse o sábio - antes de contar-me, quero saber se fizeste passar essa informação pelas três peneiras. 

– Três peneiras? Que queres dizer? 

– Devemos sempre usar as três peneiras. Se não as conheces, preste bastante atenção. A primeira é a peneira da verdade. Tens certeza de que isso que queres dizer-me é verdade? 

– Bem, foi o que ouvi outros contarem. Não sei exatamente se é verdade. 

– A segunda peneira é a da bondade. Com certeza, deves ter passado a informação pela peneira da bondade. Ou não? 

    Envergonhado, o homem respondeu: 

– Devo confessar que não. 

– A terceira peneira é a da utilidade. Pensaste bem se é útil o que vieste falar a respeito do meu amigo? 

– Útil? Na verdade, não. 


– Então - disse-lhe o sábio - se o que queres contar-me não é verdadeiro, nem bom, nem útil, então é melhor que o guardes apenas para ti.


quinta-feira, 7 de julho de 2011

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Náufrago


    Após um naufrágio, o único sobrevivente agradeceu a Deus por estar vivo e ter conseguido se agarrar a parte dos destroços para poder ficar boiando. Este único sobrevivente foi parar em uma pequena ilha desabitada, fora de qualquer rota de navegação e ele agradeceu novamente. Com muita dificuldade e restos dos destroços, ele conseguiu montar um pequeno abrigo para que pudesse se proteger do sol, da chuva, de animais e também para guardar seus poucos pertences, e como sempre, agradeceu. Nos dias seguintes, a cada alimento que conseguia caçar ou colher, ele agradecia. No entanto, um dia quando voltava da busca por alimentos, ele encontrou o seu abrigo em chamas, envolto em altas nuvens de fumaça, terrivelmente desesperado, ele se revoltou e gritava chorando: 

– O pior aconteceu! Perdi tudo! Deus, por que fizeste isso comigo?

    Chorou tanto que adormeceu, profundamente cansado. No dia seguinte bem cedo, foi despertado pelo som de um navio que se aproximava.

 – Viemos resgatá-lo, disseram.

 – Como souberam que eu estava aqui?, perguntou ele. 

– Nós vimos o seu sinal de fumaça! 

    É comum sentirmo-nos desencorajados e, até mesmo, desesperados quando as coisas vão mal, mas Deus age em nosso beneficio, mesmo nos momentos de dor e sofrimento.



Caminhos

Os caminhos do Senhor é fortaleza para os íntegros, mas ruína é aos que praticam iniqüidade. (PV 10:29)

Há caminho que ao  homem parece direito, mas ao cabo dá em  caminho de morte. (PV 14:12)

O caminho do preguiçoso é como  cercado de espinhos, mas a  vereda dos retos é plana. (PV 15:19)

Todos os caminhos do homem são puros ao seus olhos, mas o Senhor pesa o espírito. (PV 16:2)

O coração do homem traça o seu caminho, mas o Senhor dirige lhe os passos. (PV 16:9)

O caminhos dos retos é desviar-se do mal; e o que guarda seu caminho preserva sua alma. (PV 16:17)

Há caminho que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte. (PV16: 25)

Ensina uma criança o caminho que se deve andar, e ainda quando for velho, não se desviará dele.      (PV 22:6)

segunda-feira, 4 de julho de 2011

domingo, 3 de julho de 2011

Cicatrizes


           Sinal ou vestígio de destruição ou dano. Lembrança ou impressão duradoura de um golpe físico, moral ou psicológico. Muitas cicatrizes podem desaparecer com cirurgia plástica, nunca, porém, desaparecendo o trauma.
  
     Paulo foi um homem muito marcado, falando das cicatrizes sofridas pelas perseguições que lhe foram mais significativas do que a marca da circuncisão, a qual o afirmava como judeu. Ele diz, com isso, que as cicatrizes que a vida nos impõe desaparecem diante da marca do evangelho de Jesus nas nossas vidas.

    A vida deixa marcas em nós, as quais, às vezes, geram cicatrizes que não se apagam; mas Deus pode apagá-las com a marca inegável do Seu amor revelado na cruz.


 Texto base : Gálatas 6:17

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Quatro estações

    Um homem tinha quatro filhos. Ele queria que seus filhos aprendessem a não julgar as coisas de modo apressado e, por isso, mandou cada um em uma viagem para observar uma parreira que estava plantada em um distante local. O primeiro filho foi no inverno, o segundo na primavera, o terceiro no verão e o quarto e mais jovem, no outono.

    Quando retornaram, o pai os reuniu e pediu que cada um descrevesse o que tinham visto. O primeiro filho disse que a árvore era feia, torta e retorcida. O segundo filho disse que não, que ela era recoberta de botões verdes e cheia de promessas. O terceiro filho discordou, disse que ela estava coberta de flores que tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas que ele arriscaria dizer que eram as flores mais graciosas que ele jamais tinha visto. O último filho discordou de todos eles, ele disse que a árvore estava carregada e arqueada, cheia de frutas, vida e promessas. O homem, então, explicou a seus filhos que todos eles estavam certos, porque eles haviam visto apenas uma estação da vida da árvore. Ele falou que não se pode julgar uma árvore, ou uma pessoa, por apenas uma estação, e que a essência de quem ela é, o prazer, a alegria e o amor que vêm daquela vida podem apenas ser medidos ao final, quando todas as estações estão completas.

    Se você desistir quando for inverno, você perderá a promessa da primavera, a beleza de seu verão, a expectativa do outono. Não permita que a dor de uma estação destrua a alegria de todas as outras. Não julgue a vida apenas por uma estação difícil. Persevere através dos caminhos difíceis, e melhores tempos certamente virão de uma hora para a outra.

"Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração." Hebreus 4, 12.